Israel vai construir campo de detenção para refugiados africanos

O governo de Israel aprovou neste domingo a construção de um campo de detenção que deverá comportar cerca de 10 mil refugiados africanos, a ser erguido no sul do país.

O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, defendeu a construção do campo, afirmando que “há uma onda crescente de infiltradores ilegais que ameaça os empregos dos israelenses”.

De acordo com o premiê, o governo tem a obrigação de impedir a entrada dos africanos “para preservar o caráter do Estado”.

Segundo dados oficiais, cerca de 1,2 mil africanos entram em Israel todo mês. Já se encontram no país 35 mil pessoas originárias da África, principalmente do Sudão e da Eritreia. Boa parte delas atravessou o deserto egípcio do Sinai, cruzando a fronteira a pé.

O gabinete de Netanyahu emitiu um comunicado afirmando que o “centro de moradia servirá para abrigar infiltradores que entram ilegalmente em Israel e não podem ser deportados – nesta etapa – para seus países de origem”.

“O centro fornecerá moradia, comida, bebida e assistência medica para os infiltradores”, diz o comunicado oficial

Críticas a “gueto”
ONGs israelenses de direitos humanos criticam a decisão do governo e advertem que o campo se transformará em um “gueto”.

O medico Ido Luria, da ONG Médicos pelos Direitos Humanos, disse ao site de noticias Ynet que “a construção do campo de detenção para os refugiados é uma decisão ruim”.

“A prisão é um trauma que pode ser ainda mais difícil para pessoas que já passaram por traumas anteriores. A maioria daqueles que chegam em Israel foram perseguidos em seus paises de origem, e grande parte deles já passou por traumas como torturas e estupro”, afirmou.

“O Estado de Israel foi criado por refugiados e imigrantes e não pode se comportar de forma moralmente cega com outras pessoas, independentemente da cor da sua pele”, declarou o médico.

Luria também citou a resolução da ONU para a questão dos refugiados, assinada por Israel, que determina que os países têm a obrigação de preservar a saúde e os direitos dos refugiados, inclusive o direito de ir e vir, de adquirir documentação e de trabalhar.

“Maioria judaica”
Já o ministro do Interior, Eli Ishai, do partido ultraortodoxo Shas, criticou as ONGs que defendem os refugiados e afirmou que “eles querem aparecer bonitinhos, mas dentro de dez anos uma comissão de inquerito irá investigar como perdemos a maioria judaica em Israel”.

O ministro da Segurança Publica, Itzhak Aharonovitz, se opôs à decisão e disse que o sistema penitenciário não poderá arcar com a responsabilidade pelo campo de detenção.

“O sistema penitenciário não tem experiência ou conhecimento para lidar com a detenção de uma população civil e, portanto, não tem os instrumentos para cumprir essa missão”, afirmou Aharonovitz.

A ONG Centro de Apoio para os Trabalhadores Estrangeiros informou que desde a decisão do governo tem recebido um numero crescente de chamadas de africanos que moram em Tel Aviv, preocupados com a possibilidade de serem levados para o campo de detenção.

Na semana passada, o governo israelense decidiu construir uma barreira na fronteira com o Egito para impedir a entrada de refugiados e imigrantes ilegais da África.

Fonte: O Globo

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s