África quer transferência de tecnologias a favor das questões ambientais

África quer transferência de tecnologias a favor das questões ambientais

Harare (Da enviada especial) – Os países do continente africano e outros do terceiro mundo precisam de tecnologias que traduzam benefícios para o ambiente e  não aquelas que criam outros problemas a este, defendeu hoje, segunda-feira, em Harare (Zimbabwe), o ministro do Ambiente e dos Recursos Naturais deste país, Hon Francis Nhema.

O ministro do Ambiente e dos Recursos Naturais do Zimbabwe, que proferiu a abertura da 15ª Reunião dos Pontos Focais da Convenção de Viena e Protocolo de Montreal, referiu que a transferência de tecnologias são bem vindas, mas devem ser feitas de acordo a realidade de cada região, sem criar transtornos ambientais.

Prioridades em torno das questões relacionadas com a destruição das substâncias que empobrecem a camada do ozono (OSD), o papel do Protocolo de Montreal na mitigação das mudanças climáticas e problemas financeiros, são entre outras acções que, para o governante devem ser tomadas em conta, no quadro dos planos estratégicos adoptados para o continente.

Como países em desenvolvimento em África, estamos a encarar muitos desafios que não podem ser resolvidos de forma isolada, porque os problemas são similares e transbordam as nossas fronteiras”, sublinhou Hon Francis Nhema.

Na presença dos oficiais do Programa das Nações Unidas para o Ambiente (UNEP) e dos Pontos Focais idos de 55 países africanos, o governante reconheceu os esforços que estão a ser empreendidos pelos governos africanos e do apoio internacional, no que refere a mitigação das substâncias que empobrecem a camada do ozono.

O Governo de Zimbabwe, seguiu, comprometeu-se eliminar na totalidade as substâncias que empobrecem a camada do ozono.

Para o ministro, o facto deste país ser o primeiro a ratificar a Convenção de Viena e o Protocolo de Montreal, em 1992, representa evidências deste comprometimento.

Em 1994, este país, ratificou de igual modo as emendas de Copenhaga e de Londres.

Neste país, como outros, as substâncias que empobrecem a camada do ozono, como brometo de metilo e hidroclorofluorcarbonos (HCFCs), são na sua maioria utilizados na agricultura, no sector de refrigeração e ar condicionado.

No quadro das estratégias de eliminação desses produtos, solicitou maior apoio do Programa das Nações Unidas para o Ambiente (UNEP), do secretariado do Ozono e do Fundo Multilateral e outros, para que se atinjam as metas de eliminação das substências que degradam a camada do ozono, com vista ao bem-estar das populações.

Assim, pediu de igual modo uma maior cooperação entre os países africanos, tendo em conta os desafios ambientais actuais.

Neste evento, com a duração de cinco dias, a UNEP convidou de igual modo os jornalistas de vários países africanos, com vista a reforçarem os seus conhecimentos e contribuírem para uma maior sensibilização da população ao nível das regiões, no que concerne as questões climáticas e não só.

Fonte: http://www.portalangop.co.ao/motix/pt_pt/noticias/sociedade/2011/9/43/Africa-quer-transferencia-tecnologias-favor-das-questoes-ambientais,89d1a9dc-e6f5-4756-b9c5-1c12a22b88e9.html

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s