Análise química indica que escravos vieram de vários pontos da África

Dentes apontam como era alimentação durante a infância.
Estudo foi feito em cemitério antigo no Rio de Janeiro.

Do G1, em São Paulo

Uma equipe multidisciplinar que inclui geólogos, biólogos e antropólogos está revelando uma parte pouco conhecida da história do Brasil, no Rio de Janeiro. A análise dos restos de um cemitério de escravos mostra que os trabalhadores que vinham forçados para o Brasil não vieram todos de uma mesma região, mas vinham de lugares muito diferentes dentro da África.

O Cemitério dos Pretos Novos, na Zona Portuária do Rio de Janeiro, de onde foram retiradas as ossadas, foi desativado no século 19 e redescoberto na década de 1990.

Os pesquisadores chegaram a essa conclusão por uma análise química. Eles pegaram o esmalte dos dentes para descobrir mais sobre a origem dos escravos. O esmalte é a camada externa do dente, formada quase exclusivamente por minerais, e essa composição permanece inalterada durante a vida desse dente. Por isso, ela diz muito sobre a infância de uma pessoa.

O geólogo Roberto Santos, da Universidade de Brasília (UnB), escolheu o elemento químico estrôncio para fazer essa leitura.

“O estrôncio é um elemento químico que tem grande afinidade com o cálcio”, explicou o pesquisador. O cálcio é um mineral importante na composição dos ossos e dentes, logo o estrôncio também é abundante no corpo humano.

O estrôncio que nosso corpo usa para formar a estrutura dos dentes vem dos alimentos. E esse elemento tem vários isótopos – variações do número de nêutrons e prótons somados em cada átomo, 86 ou 87 –, que permitem rastrear o caminho do estrôncio. Pessoas com alimentações diferentes apresentam variações diferentes do estrôncio dos dentes.

O número usado para avaliar as variações é a chamada “medida das proporções dos isótopos de estrôncio”. No Cemitério dos Pretos Novos, esse valor vai de 0,706 a 0,75, variação “muito alta”, segundo Santos. Isso indica que esse grupo era heterogêneo e vinha de diversos pontos da África.

Como base de comparação, o geólogo deu os números da análise feita em um cemitério indígena no Forte Marechal Luz, em Santa Catarina. Lá, onde vivia uma população bem mais homogênea, a variação fica entre 0,708 e 0,71.

Essa análise química não é capaz de definir, no entanto, exatamente de quais pontos da África vieram esses escravos. Só se sabe que eles deixaram o continente via Angola, que era o ponto de partida da maior parte dos navios negreiros.

A análise dos isótopos de outros elementos, como o carbono, pode dar mais dicas sobre a vida desses negros. “Cada elemento químico vai mostrar a memória da vida da pessoa em um lugar diferente”, afirmou Santos. Mais para frente, o grupo pensa também em trabalhar com o DNA.

Fonte: Globo.com

Postado por Mario Lira – assessoria de imprensa

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s