Imagens evidenciam fome e debilidade na região do Sahel, na África

Região africana sofre com uma seca prolongada, alta nos preços dos alimentos, focos de tensão política e dificuldade de acesso a serviços médicos.

 

Imagens da região do Sahel, faixa de terra ao sul do Saara, dão a dimensão da crise da fome que começa a se formar, segundo alertas da ONU e de agências humanitárias.

A região, principalmente a área que concentra Mali, Senegal, Níger, Chade, Mauritânia, Burkina Fasso, Gâmbia e Camarões, está sofrendo com uma seca excepcionalmente severa, aliada a uma alta no preço dos alimentos e focos de instabilidade política.

Na questão política, o caso mais grave é o do Mali, que enfrenta uma insurgência rebelde tuaregue no norte e os desdobramentos de um golpe de Estado.

Agências humanitárias advertem que a seca no Sahel, na África, pode virar uma crise humanitária. Na foto, Aboubacar, da vila nigerina Kadago Biri, leva sua mulher grávida, Mariama, às instalações dos Médicos Sem Fronteiras no Níger. (Foto: Médicos sem fronteiras/BBC)Agências humanitárias advertem que a seca no Sahel, na África, pode virar uma crise humanitária. Na foto, Aboubacar, da vila nigerina Kadago Biri, leva sua mulher grávida, Mariama, às instalações dos Médicos Sem Fronteiras no Níger. (Foto: Médicos sem fronteiras/BBC)
Aicha, filha de Aboubacar, também foi atendida pela MSF, com gastroenterite. O nigerino ficou sabendo que sua mulher, Mariama, havia perdido o bebê e corria risco de morte. Desnutrição e doenças colocam em risco a vida de milhares de pessoas no Chade, Burkina Fasso, Mauritânia, Níger, Mali e Senegal. (Foto: Médicos sem fronteiras/BBC)Aicha, filha de Aboubacar, também foi atendida pela MSF, com gastroenterite. O nigerino ficou sabendo que sua mulher, Mariama, havia perdido o bebê e corria risco de morte. Desnutrição e doenças colocam em risco a vida de milhares de pessoas no Chade, Burkina Fasso, Mauritânia, Níger, Mali e Senegal. (Foto: Médicos sem fronteiras/BBC)
A MSF explica que, nas aldeias do interior do Níger, idas ao médico são um luxo para poucos. Por causa da distância em relação às clínicas, da falta de transporte e da má qualidade das estradas, muitas mães e crianças chegam tarde demais ao atendimento médico. (Foto: Médicos sem fronteiras/BBC)A MSF explica que, nas aldeias do interior do Níger, idas ao médico são um luxo para poucos. Por causa da distância em relação às clínicas, da falta de transporte e da má qualidade das estradas, muitas mães e crianças chegam tarde demais ao atendimento médico. (Foto: Médicos sem fronteiras/BBC)
Aqui, uma refugiada malinesa mostra sua tenda, na aldeia nigerina de Gaoudel, para onde fugiu com seus dois filhos. (Foto: UNHCR/BBC)Aqui, uma refugiada malinesa mostra sua tenda, na aldeia nigerina de Gaoudel, para onde fugiu com seus dois filhos. (Foto: UNHCR/BBC)
Fonte: Globo.com
Postado por Mario Lira – assessoria de imprensa

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s