Chifre da África pede na ONU mais ajuda contra a fome

NOVA YORK, 24 Set 2011 (AFP) -Líderes africanos lançaram este sábado um pedido desesperado na Assembleia Geral da ONU por mais ajuda internacional para enfrentar a fome que se espalha pelo Chifre da África e que deixou dezenas de milhares de mortos na Somália.

Os líderes de Quênia, Somália, Djibuti e Etiópia uniram suas vozes para pedir maior cooperação, em um momento em que a ONU calcula que haja 750.000 pessoas com risco de morrer e que outras 13 milhões precisam de ajuda urgente.

O primeiro-ministro do Quênia, Raila Odinga, pediu à ONU que monte acampamentos para ajudar a população dentro da Somália, durante reunião dedicada à grave situação no Chifre da África, à margem da Assembleia da ONU, que a princípio descartou esta possibilidade.

Uma boa notícia veio de Washington, onde o Banco Mundial (Bird) aumentou a ajuda contra a pior seca em décadas na África para 1,9 bilhões de dólares, acima dos US$ 500 milhões oferecidos em julho passado, anunciou este sábado o secretário do Tesouro americano, Tim Geithner.

“Para ajudar a evitar que este tipo de catástrofes continue afetando a região, apoiamos a decisão dos membros da Associação Internacional de Desenvolvimento (IDA) de mobilizar cerca de 1,9 bilhão de dólares em recursos”, disse Geithner nas reuniões do FMI e do Bird na capital americana.

O primeiro-ministro do Quênia, em cujo país há um acampamento com mais de meio milhão de refugiados da fome, afirmou que sofrido “muita pressão” para fechar a fronteira com a Somália.

“Mas, como governo, não podemos fechar a fronteira porque isto significaria condenar à morte pessoas inocentes”, explicou Odinga.

Muitas pessoas estão fugindo de áreas na Somália sob controle dos rebeldes islamitas shebab, que impedem que chegue ajuda da ONU e de outras organizações.

“Pedimos uma colaboração muito mais forte da comunidade internacional para fazer frente a isto, para que possamos criar outra área dentro da Somália onde possamos criar acampamentos”, disse Odinga.

Isto permitiria “que as pessoas fossem alimentadas na Somália e não tivessem que cruzar a fronteira para o Quênia”, afirmou.

A coordenadora humanitária da ONU, Valerie Amos, se opôs à possibilidade de montar acampamentos dentro da Somália por medo da violência.

“O Quênia tem sido muito generoso abrigando refugiados da Somália desde 1991”, disse.

O primeiro-ministro da Somália, Abdiweli Mohamed Ali, disse em reunião que outras 500.000 pessoas deixaram a capital, Mogadíscio, onde o governo e as tropas da União Africana retomaram o controle sobre os insurgentes shebab.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse que “a crise aumenta todos os dias” no Chifre da África, ao pedir maior colaboração internacional.

Ban disse que são precisos US$ 750 milhões para entregar comida e remédios à região.

O cantor de rock Bob Geldof, que organiza festivais para arrecadar fundos para a África desde 1985, também participou da reunião, na qual acusou os países ocidentais de permitirem um “horror grotesco” no Chifre da África.

Geldof lamentou a “falta crônica de liderança nos governos do mundo”.

tw-du/mvv

Fonte: Globo.com Postado por Mario Lira

Anúncios

Angolana é eleita Miss Universo 2011

A belíssima angolana Leila Lopes venceu a 60a edição do Miss Universo, que ocorreu nesta segunda-feira (12) no Credicard Hall, na capital paulista. Ela era uma das favoritas ao título e foi a mais aplaudida da noite. A brasileira Priscila Machado ficou em terceiro lugar. A ucraniana Olesia Stefanko ficou em segundo.

 

Leila Lopes, a Miss Universo 2011

A produção do evento foi grandiosa, com direito a Claudia Leitte cantando em inglês e Bebel Gilberto fazendo a alegria dos ‘gringos’ com sua bossa nova contemporânea. Durante o show, não foram poupados elogios ao Brasil, intitulado o país mais sexy do mundo.

Entre as top 16, estavam três países de língua portuguesa: Angola, Brasil e Portugal, e seis países latino-americanos: Brasil, Colômbia, Panamá, Costa Rica, Porto Rico e Venezuela. Ucrânia, França, Kosovo, China, Austrália, EUA, Filipinas e Holanda também estavam entre as finalíssimas.

Priscila Machado, que contou com alguns desafetos vaiando sempre que era citada, não conteve as lágrimas ao chegar entra as top 10. Em um dos últimos blocos, sua torcida tomou conta da plateia, o que a deixou ainda mais emocionada.

A Miss Montenegro foi eleita Miss Simpatia e a Miss mais fotogênica foi a Miss Suécia. A Miss Panamá venceu o prêmio de melhor traje típico.

Depois do desfile de gala restaram apenas cinco finalistas. A quinta colocada foi a Miss China, seguida por Filipinas.

Fonte: http://br.omg.yahoo.com/noticias/angolana-%C3%A9-eleita-miss-universo-2011.html

Conferência sobre a Líbia demonstra contradições do Brasil

Mustafa Abdel Jalil (centro), presidente do CNT, entre Mahmoud Jibril (à esquerda) e o presidente Nicolas Sarkozy durante entrevista no Palácio do Eliseu, em Paris.

Mustafa Abdel Jalil (centro), presidente do CNT, entre Mahmoud Jibril (à esquerda) e o presidente Nicolas Sarkozy durante entrevista no Palácio do Eliseu, em Paris.

REUTERS/Benoit Tessier

Representantes de 63 países se reuniram nesta quinta-feira no Palácio do Eliseu, sede da presidência francesa, para a Conferência de Países Amigos da Líbia. No encontro, presidido pela França e a Grã-Bretanha, foi anunciado o desbloqueio de 15 bilhões de dólares de ativos líbios para as novas autoridades do país. O Brasil foi representado na reunião pelo embaixador Cesário Melantônio Neto, que não quis dar declarações à imprensa. O Ministério das Relações Exteriores, entretanto, divulgou uma declaração à margem do encontro encorajando um processo democrático de transição. O especialista em defesa Nelson During, editor do site Defesa.Net, analisa como a posição do Brasil em relação ao conflito na Líbia tem se revelado contraditória.

Fonte: http://www.portugues.rfi.fr/geral/20110902-conferencia-sobre-libia-mostra-contradicoes-da-politica-externa-brasileira